terça-feira, 6 de abril de 2010

Climatológica


Hoje mudo

Eu mudo diante do mundo

Mudança

Movimento

Sinergia

outro momento

Retorno itinerante

Espaço inconstante

Enquanto me percebo no dia,

me percebo inteira

Fragmentada em horas

instantes de livros, músicas e dicionários

Em momentos raros

de dizer tudo ou nada

De encontrar um

meio termo nas minhas palavras

De encontrar o tato

com que possa reconhecer

o outro

Reconhecer a mim mesma

Um comentário:

Glauber Vieira disse...

Bom texto, Deliane, me fez lembrar da metamorfose ambulante cantada por Raul Seixas e tão real em todos nós.