segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Para o céu do Egito...

Céu de Especiarias

Sob o céu do Líbano,

lábios ofegam de leve,

aromas de finas especiarias,

trazidas por Samira.

A moça cor de amêndoa fresca

Prepara, sem saber,

A última refeição de seu pai

Com o gosto apurado na lembrança

De um tempo de criança,

em que as ruas

Não se faziam mais de notícias

das granadas, mísseis e

das nuvens de fuligem seca e pesada

de bombardeios aéreos.

Samira senta-se na cadeira

pensa nos dias e tarde amenas

Em que serenamente provou

O gosto da fruta mais gostosa

de sua terra.

Sem saber que a sua espera

vespertina do pai querido

se transformará em grito

também sob o céu do Líbano.

As especiarias completas,

que ora cobriam a prateleira do armário,

foram abandonadas pela metade.

A busca de cheiros a levou,

às margens do mar Egeu,

Para observar uma batalha que sente

A ela não pertencer...

Um comentário:

Glauber Vieira disse...

Bonito texto, a narrativa é feita com elegância e é bem atual.