segunda-feira, 2 de julho de 2012

Os espelhos do céu: botão, rosa e buquê


Tem o céu, espelhos?
Sim... 
Tem espelhos que se refletem pequenas criaturas:
Menininhas são assim, botões de rosa que principiam, 
e vão formando toda a poesia...

O fogo terno de seu coração 
é a forma mais natural que natureza revela
duas outras naturezas,
as canções que originaram seu ser


A pequena percorre atentamente os olhos delas
e lê tão delicadamente o mundo destes céus,
como percorrendo um jardim:
Recolhe rosas aqui, planta alguma flor 
acolá, brinca com bichinhos, faz cosquinha 
na barriga das nuvens ou simplemente fura o dedo num espinho

Passeia, caminha e corre
Corre muito, pois sua casa possui tantos campos e
sua necessidade de percorrê-los
atinge longíncuas distâncias...
Para voltar depois segura ao repouso
do seu céu estrelado

E ao retornar lembra:
- Eu habito teu jardim...
Um dia também já fostes rosinha e
adorava revelar teus segredinhos por aí:
casinhas desenhadas no ar, pé de fruta pra subir, 
medo do saci ou arapucas para minhoca!
Estarei aqui sempre que quiseres a leveza...

Buquê, rosa e botão são a singularidade do coração
A graça que a menina-botão plantou um dia e
e faz recordar em cada menininha,
para fazer brotar o canteiro e 
vê-lo repleto de perfume todos os dias...

Um comentário:

NESTABLO RAMOS disse...

Sem palavras!! Parabéns, linda poesia!!