sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Minha necessidade de aconchego...


Há alguns dias estou refletindo sobre necessidades, sonhos, dor e desejos e me vejo a revirar aquilo que realmente é o essencial. Tenho que considerar, neste caso, que estamos em mudança, sim, uma mudança contínua e diária. Por meio desta me vejo a tracejar novos rumos, que nunca imaginava antes, neles sonhos e desejos, mas também medo e à procura da minha necessidade de aconchego.

Acordei umas 4:45 da manhã despertada pela garganta seca destes dias de inverno na cidade de Brasília. Enquanto matava a sede, lembrava de outros sobressaltos que tive em outras madrugadas anteriores a esta, em que mais jovem a urgência de mudança e desejo pareciam querer carregar-me para o mundo de uma vez só.

Voltei para cama, ao meu lado o travesseiro vazio e meus sonhos acumulados sobre ele. Fiz uma oração, um desejo para que pudesse conseguir voltar a estudar, a me concentrar, pois não tenho concentração há muito tempo; e nesse tempo de estudo eu pudesse ser surpreendida com minha barriga crescendo. Adormeci...

Acordei sobressaltada pelo celular que tocava, já eram sete da manhã. O que este dia iria me trazer? Pensei em quanto tempo desperdiço do meu dia, buscando carinho. Sim... Atenção e afeto em cafés, doces, chocolates e abarrotando minha estante de livros e planos de viagens. Ontem terminei de ler o livro Memórias de minhas putas tristes para minha aula de Espanhol. A visão do nonagenário da obra de Gabriel Garcia Marques é muito forte e me impregnou. Imaginei como poderia ser se já tivêssemos filhos, se nossa vida fosse movimentada e não nos sobrasse tempo para pensar tanto naquilo que não conseguimos. Recordei-me de um casal conhecido aqui do Guará, que têm dois meninos e um pouco de seu cotidiano, será que aqueles meninos são o aconchego deles e as respostas para suas indagações?

Levantei-me com sobressalto, minha irmã mais velha ao telefone querendo controlar minha vida. Por que as irmãs mais velhas têm a necessidade de controle sobre as mais novas ou por que deixei que isto ocorresse em algum momento? Não seria minha necessidade de aconchego às avessas.

Minha necessidade de aconchego, minha necessidade de aconchego, minha necessidade de aconchego... sentei fui escrever.



Nenhum comentário: